APRESENTAÇÃO DO MINICURSO

Em Calibã e a bruxa, Silvia Federici mostra que o surgimento do capitalismo se deu às custas da destruição do poder das mulheres sobre seus próprios corpos e dos laços comunais que as unia. No século XVI, a política de cercamento de campos, ou a expropriação das terras comunais do campesinato, não significou senão uma política de cercamento dos corpos das mulheres: o estupro foi legalizado, o útero foi controlado e transformado em uma máquina para reprodução da força de trabalho. Centenas de milhares de mulheres, acusadas de “crimes reprodutivos”, foram queimadas como “bruxas”. Diante da misoginia e da destruição da sociabilidade feminina em que se estrutura o capitalismo, como podemos pensar linguagens que tecem uma comunidade que vinga a vida de mulheres historicamente esquecidas, violentadas e assassinadas?

MINISTRANTE

Danielle Magalhães

Professora

Danielle Magalhães é graduada em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Mestra e Doutora em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisa a poesia brasileira contemporânea escrita por mulheres. Integra o Laboratório Filosofias do Tempo do Agora (LAFITA). Atualmente, tem se dedicado ao pensamento de Silvia Federici.