Atendendo a pedidos, o Aperfeiçoamento em Feminismos 2º Ed. está disponível por módulos.

Quer informações do curso completo, CLIQUE AQUI.

MINISTRANTE

Bárbara Flores

Professora

Mãe da Rhara, Cainã e Kauai; Pertencente ao povo Borum-Kren (remanescentes botocudos - indígenas do tronco Macro-Jê da região dos Inconfidentes/ MG) e descendente Maxacali - é dançarina, professora, pesquisadora e escritora, graduada em Turismo - PUC-Minas; especialista em Educação Ambiental e Sustentabilidade - Faculdade Metropolitana/ BH - MG; Mestre e Doutora em Desenvolvimento e Meio Ambiente - UESC/ Ilhéus - BA; Membra Fundadora das Wayrakunas - Rede ancestral-filosófica, que se vincula à reflexão da resistência das indígenas mulheres no Brasil; Associação Multiétnica Wyka Kwara - GT Bem-Viver; Articulação Brasileira pela Economia de Francisco e Clara - Vila de Agricultura e Justiça. Autora dos livros: Filhos Melhores para o Mundo: por uma educação ambiental de berço; e, Ecofeminismo e Sustentabilidade Ambiental: uma análise a partir da organização social de comunidades indígenas e ecovilas.

DISCIPLINA 05: EPISTEMOLOGIAS FEMINISTAS INDÍGENAS

Professora Dra. Bárbara Flores (Currículo Lattes)

Dias: 07, 08, 14, 15, 21 e 22 de outubro

Horário: Sextas-feiras das 18:00h às 20:30h e sábados das 8:30h às 11:00h

EMENTA:

O objetivo desta disciplina é pensar sobre o impacto da invisibilização sistemática e naturalizada pelo androcentrismo eurocêntrico acadêmico versus os caminhos do crescente fortalecimento das epistemologias feministas, com destaque aqui para o campo das lutas das indígenas mulheres. Como, à partir de nossos lugares enquanto indígenas mulheres, os efeitos da colonização se deram em nossos corpos, assim como, nossas experiências de vida e de produção de conhecimento sobre as trajetórias de vida pessoais, dos povos e das lideranças indígenas mulheres, bem como das divindades femininas, igualmente fortaleceram epistemologias decoloniais que se pautam por cosmologias indígenas e conhecimentos diversos de resistência histórica de enfrentamento às matrizes de desigualdades, tais quais o racismo, o etnocídio e o sexismo.