Atendendo a pedidos, o Aperfeiçoamento em Feminismos 2º Ed. está disponível por módulos.

Quer informações do curso completo, CLIQUE AQUI.

MINISTRANTE

Maria Helena Silva Soares

Professora

Maria Helena Soares é doutora em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2021), onde também fez sua graduação (2012) e mestrado (2015). Sua trajetória acadêmica tem início com o pensamento de Gaston Bachelard e a epistemologia histórica francesa. Sua dissertação de mestrado: O problema da objetividade em Gaston Bachelard: um estudo acerca da fenomenotécnica e do realismo científico, defendida em 2015, recebeu o prêmio Master 2 da Association Internationale Gaston Bachelard, em 2020. Realizou estágio de doutorado sanduíche em Paris X Nanterre entre 2019 e 2020. É editora adjunta da Revista Em Construção: arquivos de epistemologia histórica e estudos de ciência. Seus interesses de pesquisas se concentram nas áreas de filosofia da ciência e nas epistemologias histórica e feministas. Atualmente, é professora substituta de Filosofia do IFRN - Mossoró.

DISCIPLINA 06: EPISTEMOLOGIAS FEMINISTAS

Professora Dra. Maria Helena Soares (Currículo Lattes)

Dias: 04, 05, 11, 12, 18 e 19 de novembro

Horário: Sextas-feiras das 18:00h às 20:30h e sábados das 8:30h às 11:00h

EMENTA

Neste módulo percorreremos as epistemologias feministas a partir de três eixos temáticos: 1-instabilidade das categorias e parcialidade do conhecimento; 2- autoridade epistêmica e epistemicídio; e 3- gênero e ensino, ciência e diferença. Para isso, mobilizaremos pensadoras e pensadores que contribuíram de forma significativa para a composição e transformação daquilo que entendemos por epistemologia. Nosso objetivo é o de apresentar, a partir de uma abordagem temática, a heterogeneidade característica das epistemologias feministas passando por diferentes agentes e localizações. Nossa bibliografia caminha entre o Norte e o Sul Global em uma investigação acerca das metodologias e valores alternativos que diferenciam as diversas epistemologias feministas da tradição. Esperamos, com isso, dar a ver uma amplitude no diálogo e nas pesquisas feministas sobre ciência e conhecimento hoje.