A América Latina não é só um lugar, é também um modo de vida que define perspectivas e formas de existência que durante muitos anos foram ocultadas em meio ao grande pensamento dito universal do Ocidente. Estudar nossas pensadoras latinoamericanas é dar visibilidade a pessoas e a um conjunto de teorias silenciadas, mas também é pensar sobre nós mesmas, sobre nossa formação como "mulheres do terceiro mundo", nossa herança e a colonialidade que nos formou. Estudar as pensadoras latinoamericanas é pensar sobre e desde nossos lugares e também nossos não-lugares e é inserir este pensar nas linhas que contam a história das ideias mundial.

MINISTRANTE

Ania Pupo Vega

Professora

Cubana, graduada em psicologia pela Universidade Central Marta Abreu das Villas. Mestre em psicologia da saúde pela Escola Nacional da Saúde da Havana. Doutora em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina, trabalha há muitos anos com pesquisa e extensão sobre pobreza nos contextos rurais a partir de uma perspectiva de gênero e do espaço. Colaboradora do Centro Félix Varela nas ações de intervenção e solução de conflitos para a gestão pública local através da Rede Cultura de Paz e também é membro do Núcleo de Estudos de gênero da Universidade de Holguín e do Núcleo de Agricultura Familiar da UFSC.

Claudia Regina Nichnig

Professora

Doutora em Ciências Humanas - Estudos de Gênero (DICH/UFSC) e pós-doutora em História (UFSC) e antropologia social (EHESS/Toulouse/França). Pesquisa família no Brasil, história dos feminismos, História das Mulheres, Mulheres Indígenas e Violências de gênero. Atualmente é professora de História, na Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR.

Drica Madeira

Professora

Adriana Madeira Coutinho (Drica Madeira) nascida no Rio de Janeiro, no dia 08 de Março de 1979 e criada em Petrópolis desde a infância. Doutoranda em Ciência da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, com bolsa CAPES. Pesquisadora das questões de gênero, feminismo, novas tecnologias, realidade brasileira e descolonialidades no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) sob orientação de Heloisa Buarque de Hollanda e Beatriz Resende; pesquisadora do grupo Escritas do Contemporâneo coordenado por Beatriz Resende; Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Laboratório de Teorias e Práticas Feministas coordenado por Luciana María di Leone; Pesquisadora do Grupo de Estudo descolonial Carolina Maria de Jesus sob coordenação de Susana de Castro Amaral Vieira; Mestra em Direito pela Universidade Católica de Petrópolis (2015) tendo defendido a dissertação "Lei Maria da Penha" um estudo empírico sobre sua aplicação nos juizados de violência doméstica e familiar contra a mulher do estado do Rio de Janeiro". Graduada em Letras - Literatura e Língua Portuguesa pela Universidade Católica de Petrópolis (2009) tendo defendido a monografia sob o título "Uma Análise do Discurso Operário do Lula". Foi membro titular do Comitê de Ética da Universidade Católica de Petrópolis de 2015 a 2016. Consultora nas áreas de gênero e violência contra a mulher. Diretora e apresentadora do programa televisivo Toda Prosa - o bate papo da mulher atual (2012/2015) e Drica Madeira Por Aí. Responsável pela organização da Semana de Combate e Enfrentamento a Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (2013;2014;2015;2016) e pela Campanha dos "16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher" no município de Petrópolis RJ (2013;2014;2105; 2016). Atuou como conselheira nos conselhos de direito municipais de Igualdade Racial e de Direitos da Mulher (2013; 2014; 2015; 2016). Fundadora e ex coordenadora do Centro de Referência e Atendimento a Mulher de Petrópolis (2007 a 2015); Ex Coordenadora Executiva da Superintendência de Direitos da Mulher do Estado do Rio de Janeiro (2012); Ex coordenadora executiva do Planetário da Gávea no Rio de Janeiro (2010); Ex Diretora ? Presidenta da Fundação de Cultura e Turismo de Petrópolis (2015-2016). Atualmente trabalha, em especial, com os seguintes temas: Cultura e política, campos teóricos da teoria literária e dos estudos culturais, relações de gênero, relações étnicas/raciais, feminismo, violência, literatura contemporânea, relação entre ética e estética.

Mayra Jocelin Martínez Martínez

Professora

Mestre em Estudos Latinoamericanos pela UNAM; doutoranda em Filosofia no Colégio de Filosofia da UANL no programa de estudos culturais. Seus temas de interesse se centram sobre os e as intelectuais da América Latina do século XX, sobre a História dos movimientos feministas e a Filosofia do Sul Global. É coordenadora, ao lado de Aurora Georgina Bustos Arellano, do projeto "Las filósofas que nos formaron" no CEH-UANL.

Morgani Guzzo

Professora

Doutora em Ciências Humanas pelo Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Mestre em Letras pela Universidade Estadual do Centro Oeste (Unicentro-PR). Graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela mesma Universidade. É integrante do Laboratório de Estudos de Gênero e História (LEGH/UFSC), do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Gênero, Raça e Sexualidades (GIGRAS/UFFS) e da Rede Nacional de Investigación en los Estudios Socioculturales de las Emociones (RENISCE - México). É pesquisadora sobre gênero, feminismos, epistemologias feministas e decoloniais, afetos e emoções, movimentos sociais e estudos culturais; e atua como conselheira titular no Conselho Estadual de Direitos da Mulher (CEDIM/SC); no portal Catarinas e também é ativista pelos direitos sexuais e reprodutivos.

Viviane Bagiotto Botton

Professora

É pesquisadora de pós-doutorado em filosofia na UERJ onde desenvolve uma pesquisa sobre o diagnóstico da Histeria no Brasil da perspectiva das relações entre loucura, mulheres e ciências médicas nacionais. Defendeu o doutorado na UNAM- Universidade Nacional Autónoma do México, no fina de 2015, tendo também realizado um intercâmbio com a Universidade ParisXII e Paris I por 1 ano. Neste trabalho estudou a questão do Corpo e da Subjetividade no pensamento de Michel Foucault e disso passou a dedicar-se aos estudos sobre gênero e poder, primeiramente pelas questões decorrentes da tese, mas também pela experiência e proximidade com as escritoras latino-americanas e em especial a mexicana e a chicana. Isto convergiu com a entrada ao grupo Anamorfoses de filosofia latinoamericana e decolonial que passou a integrar quando foi professora substituta na PUC-SP em 2016 e 2017. Viviane também é integrante do grupo de estudos Michel Foucault da PUC-SP; do laboratório "filosofias do tempo do agora" (UFRJ); e é uma das fundadoras e coordenadora do núcleo de estudos sobre histeria, (parceiro do PPGF/UFRJ) e que se associa a sua atual pesquisa.

Aula 1: As contribuições de Yuderkys Espinosa Minõso para o feminismo decolonial
Dra. Morgani Guzzo

Objetivos:

1) Localizar o pensamento de Yuderkys Espinosa Minõso na genealogia do pensamento feminista decolonial, suas influências, disputas mais evidentes e propostas inovadoras;

2) Aprofundar alguns dos conceitos-chave de seu pensamento, conectando a crítica feminista decolonial à sua experiência enquanto mulher afro-caribenha lésbica.

 

Aula 2: Rita Segato e suas contribuições para os estudos de Gênero e Decoloniais
Dra. Claudia Regina Niching: Rita Segato

Objetivo Geral:

Refletir como as pesquisas e a teoria produzida por Rita Segato, tem sido debatida no Brasil, principalmente as temáticas da violência de gênero e as relações entre gênero, racismo e colonialidade.

Objetivos Específicos:

1) Reconhecer a importância das pesquisas e teorias produzidas pela antropóloga

2) Discutir os conceitos de violência de Gênero e Decolonialidade de Gênero, a partir das pesquisas realizadas no Brasil e América Latina;

3) Abordar as relações entre gênero, racismo e colonialidade, a partir da produção da autora.

 

Aula 3: Teresa Díaz Canals e outras vozes
Dra. Ania Pupo Vega

Objetivos:

1) Contextualizar o pensamento de Teresa Díaz Canals nos percursos dos feminismos em Cuba.

2) Colocar outras vozes feministas da Cuba contemporânea.

3) Aprofundar nas contribuições do seu pensamento e nos vínculos com o pensamento feminista latino-americano.

 

Aula 4: “Feminismo não é Disneylândia”
Dranda. Drica Madeira

Objetivos:

1) Conhecer sua trajetória (vida e obra)

2) Dialogar sobre espaços historicamente distanciados, como as comunidades periféricas e as universidades, a valorização da produção marginal (periferia, corpos dissidentes);

3) Discutir seu posicionamento sobre o potencial da tecnologia na produção e no consumo da cultura, da criação de novas subjetividades, do ativismo feminista consubstanciando raça/etnia e classe;

 

Aula 5: As contribuições de Marta Lamas aos estudos de gênero na América Latina.
Dranda. Mayra Jocelin Martínez Martínez

Objetivos:

1) Conhecer a vida e a obra de Marta Lamas

2) Discutir os principais conceitos propostos como categorias de análise no trabalho de Marta Lamas.

3) Conectar esses conceitos com outras experiências (e outras autoras) na América Latina.